Macau – O Governo promete continuar com a repressão ao jogo online

A Polícia Judiciária assumiu a tarefa de resolver o problema dos jogos online ilegais no ano passado.

A repressão do jogo online ilegal resultou na desativação de mais de 300 sites entre 2016 e 2018, comunicou o diretor do Gabinete de Coordenação e Inspeção de Jogos (DICJ), Paulo Martins Chan.

O gabinete de Chan, o Instituto do Bem-Estar Social e o Instituto para o Estudo do Jogo Comercial organizaram uma conferência de imprensa, na Torre de Macau sobre as promoções de jogos responsáveis deste ano.

Estiveram presentes 150 representantes do Governo, do setor de jogos, de organizações não-governamentais (ONGs) e da comunicação social.

Chan observou que o seu departamento promove a prevenção do jogo problemático ao organizar uma ampla gama de atividades na última década, acrescentando que a consciencialização sobre o jogo responsável entre os residentes aumentou significativamente de 16,2% para 63,7% entre 2009 e 2017.

Chan sublinhou que o seu gabinete, os seis operadores de jogos da cidade e várias ONG juntaram forças para organizar uma série de eventos até ao final do ano, como um dia em família para os empregados de casino, um banquete e um jogo móvel interativo, com o objetivo de promover comportamentos e valores de jogo “corretos” entre turistas e locais.

Chan também comunicou, à margem da conferência de imprensa, que o seu departamento estava de olho nas questões ilegais do jogo online, acrescentando que cooperou na China continental e outras regiões no rastreamento de mais de 500 sites de jogos ilegais.

De acordo com o Macau Post Daily, mais de 300 foram encerrados nos últimos três anos, apontou Chan, acrescentando que a Polícia Judiciária assumiu a tarefa de resolver o problema dos jogos online ilegais no ano passado.

Respondendo a perguntas da comunicação social sobre a recente disputa que envolveu a Suncity, Chan confirmou que o seu gabinete realizou reuniões com executivos seniores de casinos, no início de julho, alertando-os que devem supervisionar os operadores de junket que trabalham com eles e lembrá-los da necessidade de obedecer todas as normas legais.

Chan acrescentou que a Suncity não estava sob investigação.

Chan também clarificou que a sua agência inspecionou recentemente sete casinos e vinte cinco salas VIP, mas que até agora não foram encontradas operações ilegais, acrescentando que quaisquer atividades relacionadas com jogos online ou apostas por telefone em Macau são ilegais.

Num relatório no início deste mês, o estatal Economic Information Daily, que é de propriedade da Agência Nacional de Notícias Xinhua, acusou a Suncity de administrar uma grande atividade ilegal de apostas online. O artigo foi amplamente citado pela imprensa local, regional e estrangeira. O jornal é conhecido por seus relatórios detalhados.

A Suncity respondeu ao relatório na primeira semana de julho quando o seu presidente, Alvin Chau Cheok Wa, disse à imprensa que a sua empresa não operava nenhum negócio de jogos online e que todas as suas operações eram permitidas sob as regulamentações do governo local.

A Suncity é considerada a principal operadora de junket de Macau, com uma quota de mercado de cerca de 40 por cento.

Enquanto isso, Chan, que anteriormente trabalhou como promotor público, também disse que o seu gabinete estava a preparar emendas à lei que regulamenta os operadores de junket, com o objetivo de impor exigências mais estritas, como aumentar o seu capital registado, acrescentando que mais informações sobre as mudanças propostas seriam anunciadas no devido tempo.

As alterações propostas terão de ser aprovadas pela Assembleia Legislativa para produzir efeitos legais.

Fontes e consultas:
The Macau Post Daily
Notícias de Macau
Agência Nacional de Notícias Xinhua

Observatório do Jogo – Portugal

   

Categories
GAMBLING NEWS (PT)Observatório NewsWorld Gambling News (PT)

RG MAGAZINE Gambling and Social Responsibility
No Comment

RELATED BY