Indianos querem mais casinos e fazer de Goa “Macau da Índia” – especialista

O analista de jogo Grant Govertsen disse hoje que o Governo indiano quer mais casinos em Goa e já pediu aos operadores para começarem a construir 'resorts integrados' na antiga colónia portuguesa, para a tornar no "próximo Macau".

Num evento promovido pela Associação Comercial Britânica em Macau (BBAM, na sigla inglesa), o diretor Executivo da Union Gaming afirmou que o Governo indiano “pediu aos casinos para começarem a construir ‘resorts integrados’ em Goa” para fazer de Goa “Macau da Índia”.

Grant Govertsen apontou para o grande potencial de jogo da Índia e que está subvalorizado: “Os jogos de casinos ainda estão embrionários [na Índia], representam apenas 200 milhões de dólares, apesar de terem uma população de 1,3 mil milhões de pessoas”.

Os casinos em Goa estão geralmente localizados em barcos fluviais e os que estão em terra não são para já apelativos para os milionários indianos, sublinhou o analista.

“O Governo não quer mais barcos fluviais e quer que os casinos se desloquem para terra”, afirmou o diretor executivo da Union Gaming.

Na opinião do analista, os operadores de jogo que não entraram em Macau, quando o jogo foi liberalizado no início do milénio, “não querem perder o barco” de Goa e querem apostar naquele que poderá ser o “próximo Macau”.

Capital mundial do jogo, Macau é o único local na China onde o jogo em casino é legal. As receitas brutas acumuladas nos dez primeiros meses do ano totalizaram 251.383 milhões de patacas (27.454 milhões de euros), um aumento de 14,3% em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo dados oficiais hoje divulgados.

“O desenvolvimento do jogo na Ásia esmaga o resto do mundo”, apontou o analista.

O Japão, Coreia, Vietname, Tailândia, Camboja, Laos, Myanmar e Filipinas, são na opinião de Grant Govertsen as principais ameaças ao monopólio do jogo em Macau.

“O Japão representa a maior oportunidade para qualquer operador de jogo”, apontou Govertsen. “Vai haver um risco real para Macau”, mas só depois 2025, a data prevista para o arranque dos casinos no Japão.

O parlamento nipónico aprovou em julho uma lei que permite a abertura de três casinos e várias operadores de Macau já demonstraram interesse garantir uma licença no Japão.

“O relacionamento especial entre o Japão e os EUA pode ajudar os operadores norte-americanos”, como a MGM Resorts.

Das seis operadoras em Macau, a Las Vegas Sands, a Wynn e MGM têm a maioria de capital norte-americano.

“Acreditamos que a Las Vegas Sands, MGM (…) e a Melco Resorts estão entre os operadores de casinos com maior probabilidade de obter uma licença no Japão”, disse à Lusa, em julho, a analista da Bloomberg, especialista no jogo na Ásia, Margaret Huang.

Nesse mesmo mês em resposta a agência Lusa, a operadora de jogo em Macau Galaxy Entertainment Group demonstrou todo o interesse em conseguir uma das três vagas existentes.

A aposta no Japão acontece no momento em que as licenças de jogo em Macau terminam entre 2020 e 2022. Até à data não é conhecido um calendário para a revisão das licenças, nem é claro se será mantido o modelo de concessões e subconcessões.

“Tenho dificuldade em acreditar que vá haver alguma mudança [nas concessões] com o atual Governo”, afirmou Govertsen.

“Os investidores estão muito focados nas concessões e claro que estão a pensar que a guerra comercial entre os EUA e a China pode não ser bom para os operadores norte-americanos” e por essa razão, o analista da Union Gaming acredita que receios as autoridades de Macau só vão tomar uma decisão em relação às concessões “daqui a sete ou mais anos”.

Fonte: Lusa

   

Categories
GAMBLING NEWS (PT)World Gambling News (PT)

RG MAGAZINE Gambling and Social Responsibility
No Comment

RELATED BY