Publicados primeiros dois diplomas sectoriais da descentralização de competências

Rifas, tômbolas, sorteios, concursos publicitários, concursos de conhecimentos e passatempos passam assim para a esfera municipal, bem como as competências de fiscalizar, instruir e decidir os processos de contra-ordenação relativos à exploração destas modalidades.

Os municípios passam a ter competências, nas praias identificadas como águas balneares, de limpeza e recolha de resíduos urbanos, manutenção e gestão de saneamento básico, energia e comunicações de emergência, de equipamentos e apoios de praia, incluindo estacionamento e acessos.

Os dois primeiros diplomas sectoriais da descentralização de competências foram publicados nesta terça-feira em Diário da República, nas áreas das praias e jogos de fortuna ou azar, tendo as autarquias 60 dias para recusarem a transferência já em 2019.

O decreto-lei 97/2018 concretiza a transferência de competências para os órgãos municipais no domínio das praias marítimas, fluviais e lacustres, enquanto o diploma 98/2018 regula a transferência da autorização de exploração das modalidades afins de jogos de fortuna ou azar e outras formas de jogo.

Os dois diplomas sectoriais, de um conjunto de duas dezenas aprovado pelo Governo no âmbito da lei-quadro da transferência de competências para as autarquias e entidades intermunicipais, estabelecem que a produção de efeitos ocorre a 1 de Janeiro de 2019, “sem prejuízo da sua concretização gradual” até 2021.

Nesse sentido, “os municípios que não pretendam a transferência das competências” em 2019 terão de comunicar essa decisão à Direcção-Geral das Autarquias Locais, “após prévia deliberação dos seus órgãos deliberativos, até 60 dias corridos após entrada em vigor” do decreto-lei, determina-se no documento.

Os municípios passam a deter competências, nas praias identificadas como águas balneares, de limpeza e recolha de resíduos urbanos, manutenção e gestão de saneamento básico, energia e comunicações de emergência, de equipamentos e apoios de praia, incluindo estacionamento e acessos.

As autarquias são também responsáveis pela assistência a banhistas, garantindo a presença dos nadadores salvadores e os equipamentos e sinalética de acordo com as normas determinadas pela Autoridade Marítima Nacional.

Além da concessão, licenciamento e autorização de infra-estruturas, equipamentos e apoios de praia, e actividades desportivas e recreativas, as autarquias podem “criar, liquidar e cobrar” taxas e tarifas e instaurar e decidir sobre procedimentos contra-ordenacionais, bem como aplicar coimas.

As autarquias assumem “obras de reparação e manutenção das retenções marginais, estacadas e muralhas”, para garantir a segurança dos utentes das praias, mas sem incluir “as acções de estabilização e contenção dos fenómenos de erosão costeira”, que se mantêm nas entidades da administração central.

Embora os municípios exerçam competências nas condições de segurança, protecção, socorro e assistência, a Autoridade Marítima Nacional assegura “a vigilância e o policiamento dos espaços balneares”, estabelece “requisitos e dispositivos no âmbito da assistência a banhistas em praias concessionadas” e emite parecer sobre condições de segurança de “eventos de natureza cultural, desportiva ou recreativa”.

Categories
GAMBLING NEWS (PT)Portugal Gambling News (PT)

RG MAGAZINE Gambling and Social Responsibility
No Comment

RELATED BY