Informação sobre Jogo Problemático

RG Magazine

Jogo Problemático

 

Definição

O Jogo Problemático (com vários graus de severidade) ocorre quando uma pessoa joga compulsivamente a tal ponto que o jogo tem um efeito negativo grave no seu trabalho, relações, saúde mental, ou outros aspetos importantes da vida. A pessoa pode continuar a jogar mesmo depois de ter desenvolvido problemas sociais, económicos, interpessoais, ou legais como resultado do jogo.

 

Descrição

O problema do jogo compulsivo é caracterizado pelo jogo incontrolável muito para além do ponto de uma atividade social ou recreativa, de tal forma que o jogo tem um efeito perturbador importante na vida do jogador. As pessoas que são jogadores compulsivas podem perder as suas poupanças de vida, e podem mesmo cometer crimes (roubar, desviar, ou falsificar cheques) para obterem dinheiro para o seu “hábito”. As relações e empregos podem também ser perdidos em resultado do distúrbio.

O jogo compulsivo é um exemplo de um processo, ou vício comportamental, distinto de um vício em substâncias tais como drogas, tabaco ou álcool. Nos vícios de processo, a característica ” ímpeto” ou ” intenso” vem da série de etapas ou ações que estão envolvidas no comportamento viciante. Com o jogo, a ” emoção” pode ser estimulada pela atmosfera social ou ambiente de grupo do casino, pista de corridas, ou sala de bingo, bem como pela excitação da assunção de riscos. Alguns jogadores têm um vestuário, roupa ou acessório de “sorte” que usam ou levam consigo quando jogam; por vezes, colocar o vestuário ou item em questão é suficiente para desencadear a “adrenalina”.

Os jogadores compulsivos podem envolver-se em muitos tipos diferentes de atividades de jogo. Estas podem incluir jogos de fortuna ou azar que se encontram em casinos, tais como slot machines, jogos de cartas, e roleta. Muitos destes jogos estão agora disponíveis na Internet, a principal diferença é que o jogador que aposta utiliza um cartão de crédito em vez de dinheiro ou fichas. Outras atividades de jogo podem incluir a lotaria estatal, corridas de cavalos ou de cães, ou mesmo bingo. O jogador pode fazer apostas sobre o resultado de uma eleição, jogos de basebol ou de futebol, ou mesmo sobre o tempo num determinado dia. O jogo compulsivo geralmente desenvolve-se lentamente ao longo do tempo; as pessoas tendem a começar com níveis aceitáveis de jogo social ou recreativo e progridem lentamente para o jogo compulsivo. Na maioria dos casos, o distúrbio desenvolve-se lentamente ao longo de um período de anos; contudo, há casos de dependentes que jogaram socialmente durante décadas e depois começaram a jogar compulsivamente sob o impacto de um grande stress de vida, como o divórcio ou o desemprego.

 

Causas

Não existem causas biológicas conhecidas de desordem patológica do jogo. Alguns estudos encontraram diferenças interessantes entre os jogadores compulsivos e a população em geral a nível biológico, mas nenhuma que se pensa ser uma causa real do jogo compulsivo. Muitas pessoas, contudo, têm causas psicológicas significativas para o jogo excessivo. Podem usar o jogo como uma fuga emocional à depressão; este padrão aparece mais frequentemente nas mulheres com a perturbação do que nos homens. Algumas jogadores compulsivos procuram a alteração de humor associado ao jogo – especificamente a excitação e energia que encontram na atividade – mais do que o dinheiro envolvido. Por outras palavras, a pessoa com a disfunção é reforçada por uma “mudança de humor” e não pelo dinheiro em si. Alguns investigadores descobriram que os homens diagnosticados com distúrbio de jogo eram mais suscetíveis de terem sido diagnosticados com distúrbio de défice de atenção/hiperatividade quando crianças do que os homens na população em geral. Outros investigadores descreveram os jogadores compulsivos em geral como pessoas altamente competitivas que se sentem inquietas e facilmente aborrecidas.

Outras teorias sobre as causas do jogo compulsivo enfatizam as distorções cognitivas em vez de problemas de humor. O jogo compulsivo tem sido associado a padrões de pensamento disfuncionais; muitas pessoas com esta desordem são profundamente supersticiosas ou acreditam que podem controlar o resultado dos acontecimentos quando estão a jogar. Muitas pessoas diagnosticadas com esta desordem também têm crenças distorcidas sobre o dinheiro, tendendo a vê-lo ao mesmo tempo como a fonte de todos os seus problemas e a resposta a todos os seus problemas. Os doentes diagnosticados com distúrbio de jogo compulsivo têm um risco acrescido de ter ou desenvolver distúrbio de personalidade histriónico, narcisista, ou limítrofe.

Uma mudança social que tem estado ligada ao aumento do número de adultos diagnosticados com distúrbio de jogo compulsivo nos é o aumento da disponibilidade do jogo legalizado.

 

Sintomas

Os sintomas do jogo compulsivo incluem a preocupação com a atividade do jogo, frequentemente ao ponto de interferir com o funcionamento profissional ou social da pessoa. A pessoa é frequentemente incapaz de controlar o seu comportamento no jogo, continuando a fazer apostas ou a ir aos casinos apesar das tentativas de reduzir ou parar de jogar. Um comportamento comum em pessoas com distúrbios de jogo compulsivo é a “perseguição das perdas”, que se trata de apostar somas maiores de dinheiro ou correr maiores riscos a fim de anular ou compensar as perdas anteriores. A pessoa pode também mentir sobre o seu jogo ou envolver-se em comportamentos antissociais tais como roubo, fraude de cartões de crédito, falsificação de cheques, desfalque, ou comportamentos desonestos semelhantes, a fim de obter mais dinheiro para apostar.

 

Estatísticas

Por exemplo, nos Estados Unidos são diagnosticados mais homens do que mulheres com distúrbios de jogo compulsivo; a proporção de sexo é de cerca de 2:1. Relativamente poucas mulheres, porém, estão em programas de tratamento para o distúrbio, muito provavelmente devido ao maior estigma social ligado às mulheres que jogam. Como regra, os homens diagnosticados com distúrbio do jogo começaram a jogar na adolescência, enquanto as mulheres tendem a começar a jogar mais tarde. Os distúrbios relacionados com o jogo tendem a ser mais comuns em grupos minoritários e em pessoas com estatuto socioeconómico mais baixo. Cerca de 25% das pessoas diagnosticadas como portadoras de distúrbio do jogo tinham um progenitor com o distúrbio. As pessoas que fumam tabaco ou abusam do álcool são mais propensas a ter distúrbios relacionados com o jogo do que as pessoas que não consomem estas substâncias.

Cerca de 4% da população em geral nos Estados Unidos podem satisfazer critérios para a transtorno de jogo compulsivo em algum momento das suas vidas. Em alguns países, como a Austrália, pensa-se que este número atinja os 7%.

 

Diagnóstico

O jogo compulsivo é mais suscetível de ser diagnosticada quando o cônjuge ou a família da pessoa afetada fica preocupada. A negação é comum entre pessoas com o distúrbio. O guia profissional, o Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders , quarta edição, revisão de texto, ou DSM-IV-TR, especifica que o paciente deve ter pelo menos cinco dos seguintes sintomas para cumprir os critérios para o distúrbio:

⇒ Está sempre a pensar em jogos de fortuna ou azar.
⇒ Utiliza quantias de dinheiro cada vez maiores quando joga.
⇒ Tentou parar de jogar mas não conseguiu.
⇒ Fica mal-humorado ou rabugento ao tentar parar de jogar.
⇒ Utiliza o jogo como uma forma de escapar a problemas.
⇒ Continua a jogar para tentar recuperar dinheiro que tinha sido anteriormente perdido (“perseguir as perdas”).
⇒ Mente sobre a extensão do jogo.
⇒ Tem tentado obter dinheiro para o jogo, envolvendo-se em comportamentos ilegais ou imorais.
⇒ Tem problemas no trabalho ou em casa causados pelos jogos de fortuna ou azar.
⇒ Depende de outras pessoas para o ajudar a sair dos problemas financeiros causados pelos jogos de fortuna ou azar.

O jogo compulsivo distingue-se do jogo social, no qual a pessoa está tipicamente a socializar com os amigos, a jogar durante um período de tempo limitado, e a jogar com uma soma de dinheiro limitada que se pode dar ao luxo de perder. O jogo compulsivo distingue-se também do jogo profissional, no qual os participantes limitam os seus riscos e disciplinam o seu comportamento. Finalmente, o jogo compulsivo deve ser distinguido de um episódio maníaco; na maioria dos casos, a característica distintiva do distúrbio é que o comportamento maníaco desaparece após a pessoa deixar o ambiente de jogo.

 

Tratamentos

Há uma grande variedade de tratamentos diferentes para o distúrbio de jogo compulsivo. A psicoterapia psicodinâmica tenta desvendar quaisquer fatores psicológicos subjacentes que desencadeiam o ato de jogar. Para as pessoas que jogam para escapar, como as que estão deprimidas, esta abordagem pode ser muito bem sucedida. O tratamento de quaisquer problemas de abuso de substâncias que possam coexistir com o jogo compulsivo também pode ser útil. Outros tipos de tratamentos envolvem técnicas comportamentais utilizadas para o relaxamento e a prevenção de estímulos associados ao jogo. A terapia de reversão parece ser bem sucedida no tratamento do distúrbio comportamental do jogo compulsivo em pacientes muito motivados com alguma perceção do problema, mas não é útil para pacientes menos informados ou resistentes a métodos de tratamento comportamentais.

“Gamblers Anonymous”, ou GA, é um programa de Doze Passos baseado no modelo dos Alcoólicos Anónimos (AA). A admissão do jogador de que tem um problema de jogo e uma vontade de ir a reuniões são considerados os primeiros passos no tratamento do jogo compulsivo. Olhar de forma realista para o que o jogo fez à vida de uma pessoa, e a vontade de trabalhar arduamente para parar de jogar são também partes importantes do programa de AG. Espera-se que as pessoas envolvidas neste programa participem regularmente em reuniões, tentem reparar os erros que o seu jogo tenha causado, e encontrem um patrocinador (normalmente do mesmo sexo) para as ajudar através do programa. Os jogadores anónimos também esperam que as pessoas que deixam de jogar compreendam que provavelmente nunca mais poderão voltar a jogar socialmente, tal como os alcoólicos em recuperação não podem beber socialmente.

 

Prognóstico

Existem muito poucas estatísticas sobre o número de pessoas tratadas com sucesso por distúrbios de jogo compulsivo. O tratamento de qualquer perturbação psicológica subjacente ou abuso de substâncias pode ser muito útil. Por vezes é recomendada a terapia familiar. Alguns tipos de relaxamento ou terapia comportamental também podem ser úteis. Os jogadores anónimos podem ajudar em muitos casos, embora o programa tenha uma elevada taxa de desistência e de recorrência. Para muitas pessoas, uma combinação de mais do que uma destas abordagens é provavelmente a mais eficaz. Mesmo quando uma pessoa parou com sucesso de jogar compulsivamente, é improvável que alguma vez possa voltar a jogar socialmente, ou mesmo passar tempo em lugares onde uma vez jogou.

 

Prevenção

A prevenção do jogo compulsivo é muito difícil porque é impossível prever quando alguém irá reagir ao jogo de uma forma que conduza ao jogo compulsivo. Se uma pessoa começar a sentir, contudo, que pode ter um problema, o tratamento imediato pode impedir o desenvolvimento de um distúrbio que afeta todas as áreas da vida e pode ter consequências tanto legais como económicas.

Consulta: Gale Encyclopedia of Mental Disorder
REDE DE RESPONSABILIDADE SOCIAL                                                                                                                                                        

 

Categories
INFORMAÇÃO RELEVANTEJogo Problemático Info

RG NEWS Gambling and Social Responsibility
No Comment

RELATED BY