Continuam as investigações e penalizações contra empresas operadoras de jogo e apostas online.

Mais 3 operadoras de jogo online que foram obrigadas a pagar 14 milhões de libras em multas pela Comissão de Jogos do Reino Unido.

Mais 3 operadoras de jogo online que foram obrigadas a pagar 14 milhões de libras em multas pela Comissão de Jogos do Reino Unido.

O Regulador do Reino Unido multou mais três empresas de apostas online de renome, em 14 milhões de libras, depois de descobrir, numa investigação, que todas elas tinham falhas internas significativas, quando se tratava de detetar casos de lavagem de dinheiro e proteção de jogadores problemáticos.

As três empresas multadas pela Comissão são a Casumo (5,85 milhões de libras), a Videoslots (1 milhão de libras) e a Daub Alderney (7,1 milhões de libras esterlinas).

Uma quarta empresa – a CZ Holdings (operadora responsável pela famosa marca britânica, Dr Vegas) renunciou ao seu direito de oferecer serviços de jogo aos jogadores no Reino Unido, depois da Comissão iniciar uma revisão completa da sua licença. Segundo a Comissão, mais 6 empresas estão atualmente a ser investigadas, pelo que ainda não se sabe se este é o fim das sanções pecuniárias atribuídas pela Comissão.
Juntamente com os operadores mencionados acima, a Comissão despojou três indivíduos das licenças que os habilitava a desempenhar o cargo de diretores de empresas de jogos de fortuna ou azar – e outros 7 estão sob escrutínio, com 4 avisos emitidos e 3 atualmente sob investigação.

Os últimos desenvolvimentos são notícias importantes no Reino Unido, já que – coletivamente – as penalizações superam largamente a multa aplicada à 888 (7,8 milhões de Libras que a Comissão aplicou depois de constatar que a 888 permitiu que mais de 7.000 jogadores continuassem a jogar na sua plataforma depois de se terem autoexcluído.

Falando sobre os recentes acontecimentos, Jeremy Wright – o Secretário de Estado do Department of Digital, Culture, Media, and Sport, disse: “Qualquer operador de jogo que pense que pode ignorar o seu dever de proteger os jogadores deve tomar nota hoje – haverá consequências. Proteger os consumidores vulneráveis é a nossa principal preocupação, e deve ser a prioridade também para os operadores de jogo e apostas”.

“Existem requisitos robustos para salvaguardar os jogadores e impedir a lavagem de dinheiro a que todas as empresas devem aderir se desejarem operar no mercado britânico. Tenho o prazer de ver a Comissão de Jogos tomar a ação mais forte possível quando as empresas não cumprem as suas obrigações “.

Os que têm conhecimento do trabalho da Comissão sabem que a Comissão não tem receio de aplicar multas aos operadores que estão a quebrar os termos das suas licenças, e nos últimos anos foram aplicadas sanções financeiras de milhões de libras a algumas das maiores operadoras de jogo online do mundo, incluindo a William Hill, Ladbrokes, Paddy Power e SkyBet. Todas as multas foram aplicadas por falhas em torno do branqueamento de capitais e do problema do jogo – algo em que a Comissão é muito rigorosa.

O diretor executivo da Comissão, Neil McArthur, disse que as operadoras de jogos devem “sentar-se e prestar atenção”. “Não é suficiente ter políticas e procedimentos em vigor. Todos numa empresa de jogos de fortuna ou azar devem entender as suas políticas e procedimentos e assumir a responsabilidade de aplicá-los corretamente.”

“Esperamos que as operadoras conheçam os seus clientes e façam as perguntas certas para garantir o cumprimento das suas obrigações contra a lavagem de dinheiro e assumir a sua responsabilidade social. Qualquer pessoa com funções de responsabilidade precisa estar ciente de que não apenas agiremos contra as empresas quando tomamos medidas regulatórias – também responsabilizamos as pessoas onde elas são responsáveis pelas falhas de uma operadora.”

O que é a autoexclusão?

Muitas das multas emitidas abrangeram questões de autoexclusão – e a Comissão de Jogos fornece informações muito detalhadas sobre o que significa a autoexclusão.

A autoexclusão é um serviço para aqueles que decidiram que desejam deixar de jogar por, pelo menos, seis meses e desejam ser apoiados na sua decisão de parar. Se pensa que está a despender demasiado tempo ou dinheiro a jogar – seja online ou em locais físicos de jogo – o jogador pode pedir para ser “autoexcluído”.

Cabe-lhe a ele a iniciativa de aderir a um acordo de autoexclusão, mas se tentar jogar durante o tempo determinado, a operadora com quem o estabeleceu deve tomar medidas razoáveis para evitar que o faça.

Depois de ter feito um acordo de autoexclusão, a empresa operadora de jogos de fortuna ou azar deve encerrar a conta do jogador e devolver-lhe todo o dinheiro da sua conta. Ao mesmo tempo, também deve remover o seu nome e os detalhes de qualquer banco de dados usado em iniciativas de marketing.

   

Categories
Observatório NewsWORLD GAMBLING NEWS

RG MAGAZINE Gambling and Social Responsibility
No Comment

RELATED BY