Danske Spil lança cartões de verificação de identidade

"Não toleraremos incertezas sobre se a nossa oferta está nas mãos das nossas crianças e jovens ou utilizada para lavar dinheiro ilegal"

Numa tentativa de minimizar o número de jogadores menores de idade que acedem aos seus produtos de jogo, a operadora dinamarquesa Danske Spil implementou novos requisitos de identificação nas suas instalações de revenda.

Os cartões físicos e eletrónicos, serão usados como um meio de identificar jogadores e clientes que desejam comprar produtos de jogo em quiosques de apostas, supermercados ou outros locais de revenda.

Em conexão com a nova decisão da Danske Spil, a CEO da empresa, Susanne Mørch Koch , explicou: “A Danske Spil é a empresa de jogos da Dinamarca, e não toleraremos incertezas sobre se a nossa oferta está nas mãos das nossas crianças e jovens ou utilizada para lavar dinheiro ilegal.

“Já realizamos verificações extensivas sobre apostas em quiosques e trabalhamos em estreita colaboração com as autoridades para rastrear pessoas suspeitas que possam ter intenções criminosas, mas não podemos viver com a dúvida de que um criminoso esteja sob o nosso radar”.

Sob a iniciativa, 3.000 jogadores serão obrigados a mostrar o cartão de identificação, pois a operadora garante que os seus jogos ‘não serão vendidos a jovens com menos de 18 anos ou utilizados por criminosos para lavagem de dinheiro’.

Susanne Mørch Koch acrescentou: “Na Danske Spil, só apostaremos com adultos. O cumprimento dos limites de idade tem sido uma área sob o nosso foco , e com o cartão de jogo, temos uma ferramenta importante e poderosa em mãos. O jogo é para adultos e não para crianças. ”

No entanto, o CEO admitiu que a criação do novo cartão pode resultar numa queda nos lucros para a operadora, mas isso é melhor do que a alternativa de as crianças poderem jogar.

“Não é possível calcular com precisão as consequências negativas da introdução do cartão de jogo. É de se esperar que parte do jogo espontâneo desapareça e que nos custe uma redução significativo da nossa faturação, pelo menos no curto prazo. Temos que tomar esta decisão simplesmente porque não queremos aceitar a alternativa ”, concluiu Susanne Mørch Koch.

Fontes e consultas

SBC News
Gaming Intelligence
Igaming Business
News Tunf
European Gaming

Observatório do Jogo – Portugal

   

Categories
GAMBLING NEWS (PT)Observatório NewsPortugal Gambling News (PT)

RG MAGAZINE Gambling and Social Responsibility
No Comment

RELATED BY