Crescimento exponencial de manipulação de resultados no ténis

"O desequilíbrio entre os prémios em dinheiro e o custo de participação nas competições coloca os jogadores numa posição de risco"

O ambiente atual do ténis é ” lamentavelmente fértil para violações de integridade”, em particular nos escalões mais baixos do jogo profissional. Assim concluiu um painel de revisão independente, formado pelas quatro organizações governamentais do desporto, a ATP, a WTA, a ITF e o Grand Slam Board, que publicou no em dezembro de 2018 um relatório sobre a ameaça de manipulação de resultados no desporto.

Acrescentou o mesmo relatório que havia cerca de 14.000 jogadores profissionais em 2018, mas que apenas cerca de 600 ganhavam o dinheiro suficiente para cobrir o custo anual para poder competir.

Dos 400 alertas específicos sinalizados por organizações de apostas junto do TIU em 2018, 91% foram gerados nos escalões mais baixos e médios do desporto, onde os prémios em dinheiro são mínimos comparados aos que são oferecidos nos principais tours.

“O desequilíbrio entre os prémios em dinheiro e o custo de participação nas competições coloca os jogadores numa posição de risco, ao tentarem criar combinações de resultados para recompensas financeiras”, disse o relatório.

Em Espanha, logo um mês após a publicação do relatório, vinte e oito tenistas profissionais, incluindo um que participou do Open dos Estados Unidos em 2018, foram associados a um grupo organizado internacionalmente acusado de consertar partidas, segundo a polícia espanhola.

A polícia acusou o jogador espanhol Marc Fornell-Mestres – cujo maior ranking de singles na carreira foi 236º em 2007 – de atuar como elo de ligação entre os jogadores e a organização arménia que os subornou para fins de apostas desportivas.

A Europol, que apoiou a operação liderada pelas autoridades espanholas, comunicou que pelo menos 97 jogos dos torneios Futures e Challenger de escalão mais baixo foram fixados.

As investigações estenderam-se a França, onde grupo inicial de quatro jogadores foi questionado pela primeira vez, também em janeiro deste ano. Em março, sete jogadores franceses foram levados em custódia e depois libertados, elevando o número total questionado na França, até agora, para pelo menos 17.

A investigação é liderada por autoridades belgas. O suspeito de ser o líder do sindicato, um arménio, Grigor Sargsyan, reside na Bélgica onde permanece sob custódia em sua casa, monitorizado com uma pulseira eletrónica.

Os últimos suspeitos não foram identificados, mas cinco deles, segundo a polícia, já admitiram os seus papéis nas atividades ilegais. Um reconheceu ter consertado mais de 20 jogos, pelos quais ganhou cerca de US $ 34.000.

Até o momento, 137 supostos jogadores de mais de seis países estão envolvidos. A atividade chegou a todo o mundo, incluindo os EUA, o FBI está agora envolvido na investigação.

Grigor Sargsyan, conhecido como “Maestro”, tinha várias centenas de funcionários que apostavam pequenas quantias para evitar suspeitas.
O “Maestro” continua sob custódia, enfrentando acusações de crime organizado, lavagem de dinheiro, falsificação e manipulação de resultados.

O Painel de Revisão Independente da Unidade de Integridade de Ténis afirma que o ténis está “envolvido num tsunami de corrupção”

Observatório do Jogo – Portugal

   

Categories
GAMBLING NEWS (PT)ILLEGAL GAMBLING NEWSPortugal Gambling News (PT)World Gambling News (PT)

RG MAGAZINE Gambling and Social Responsibility
No Comment

RELATED BY