A indústria do jogo não pode desconectar-se das suas responsabilidades para com o consumidor

Melhorar a proteção geral dos consumidores em 2020 ou enfrentar mais consequências regulatórias

Neil McArthur, chefe executivo da Comissão de Jogos do Reino Unido (UKGC), desafiou a liderança das apostas do Reino Unido para melhorar a proteção geral dos consumidores em 2020 ou enfrentar mais consequências regulatórias.

McArthur dirigiu-se a uma audiência de líderes do setor de jogo e apostas e outras partes interessadas na “CMS Gambling Conference” de ontem, em Londres, na qual destacou a obrigação da UKGC proteger os consumidores em primeiro lugar.

McArthur abriu seu discurso afirmando, em tom severo, que ‘a confiança do consumidor na indústria está em declínio há anos, podem pensar que a culpa é da Comissão, mas estão errados’.

O líder do UKGC enfatizou que os executivos do jogo não podem mais negligenciar o vício do jogo e os consequentes danos como “simplesmente um facto da vida, que não pode ser mudado”.

“Se acha que não pode reduzir o número de pessoas que sofrem danos ao jogo, está enganado; e vou explicar por que precisa encontrar outro emprego se estiver a operar na Grã-Bretanha ou a aconselhar operadores ”declarou McArthur abrindo o seu endereço.

McArthur avisou a liderança do setor, que não pode dar-se ao luxo de se desligar das consequências e danos do jogo problemático, os quais o grupo de trabalho da Comissão testemunhou nas ‘experiências horríveis’ de viciados e famílias devastadas pelo jogo.

Para 2020, McArthur disse que a UKGC prevê que o governo do Reino Unido a incumba de realizar uma revisão da Lei do Jogo de 2005, cujo escopo ainda não foi esclarecido. No entanto, McArthur sublinhou que o foco da Comissão permanecerá na proteção dos consumidores e na melhoria dos padrões da indústria relacionados ao design de jogos, incentivo ao cliente, publicidade e a sua conduta geral.

“Os consumidores sempre estiveram no centro da nossa abordagem da regulamentação e sempre estarão. Não sugerimos que saibamos mais do que eles sabem, vamos traze-los para o nosso trabalho e queremos fazer isso cada vez mais no futuro ”, disse McArthur.

Com a maior preocupação, McArthur destacou a perda de confiança do consumidor no jogo, revelando que em 2008, 49% da população concordou que o jogo era justo e confiável, até 2018 esse número encolheu para 30%.

McArthur detalhou que a confiança do consumidor no jogo no Reino Unido diminuiu enquanto o setor viu o seu rendimento bruto aumentar para 14,4 mil milhões de libras, mas a participação dos consumidores do Reino Unido no jogo diminuiu para 46% em 2018 (vs 57% em 2012).

Para o UKGC, o aumento de rendimento bruto de jogo (Gross Gambling Yield – GGY) e as taxas de participação decrescentes indicam que “mais dinheiro está a ser retirado de menos consumidores, jogando online e em dispositivos móveis, e provavelmente participando em jogos de slots”.

Supervisionando as estruturas regulatórias do jogo no Reino Unido, McArthur descreve a UKGC como um ‘regulador baseado em risco’ que deve aferir as dinâmicas interligadas de consumidor, produto, local e fornecedor.

“À medida que os consumidores se transferem para o online e usam o telefone, o perfil de risco muda. Para muitas pessoas, o lugar em que jogam agora é o telefone, que está sempre com elas. Que novos riscos isto cria? E os consumidores que jogam online estão a preferir jogar slots … que novos riscos isto gera ”.

A regular o jogo em 2020, McArthur afirma que a Comissão não tem medo de levar por diante uma abordagem “ousada e inovadora” em que o objetivo de reduzir as taxas de dano, nas quais a colaboração é a dinâmica principal.

Acreditando que a indústria finalmente chegou a um consenso sobre os seus problemas, McArthur e o UKGC desafiam os líderes da indústria a criar um ‘Código da Indústria eficaz para Design de Jogos, a ser publicado o mais tardar na conferência Raising Standards desta primavera’.

A agenda 2020 do UKGC concentrar-se-á ainda mais na “incentivação de clientes de alto valor”, na qual o seu trabalho de fiscalização indica que as estruturas atuais são ineficazes.

Após a consulta do setor, a UKGC aceitou a oferta da GVC Holdings para liderar o desenvolvimento de um código de conduta nos Programas VIP, no qual visa fornecer um progresso tangível rapidamente, caso contrário, aplicará outras ações para solucionar as preocupações.

Atualmente, a UKGC aguarda a publicação de um relatório de publicidade de jogos de fortuna ou azar encomendado pela Gamble Aware, sobre os efeitos da publicidade do setor em crianças, jovens e adultos vulneráveis.

McArthur aconselha o jogo britânico a explorar as formas como deve usar as tecnologias Ad-Tech para minimizar os riscos de exposição à publicidade de jogos de fortuna ou azar, em que a Sky Bet avançou para liderar o desenvolvimento de iniciativas.

“Mudanças na tecnologia e comportamento do consumidor continuarão a criar novos riscos para os consumidores e novas oportunidades para mantê-los mais seguros. Aproveitar essas oportunidades precisará de todos nós para assumir riscos. Nem tudo vai funcionar. Nada será aclamado ou elogiado até que haja uma evidência clara de ter um verdadeiro impacto. ”
“Eu e os meus colegas da Comissão estamos prontos para trabalhar com qualquer pessoa que compartilhe a nossa determinação de tornar o jogo mais seguro. Se trabalharmos juntos, tenho certeza de que o podemos fazer.
SBC News
Gambling Commission
BBC
RTE Radio
CNBC
Gaming Intelligence
Casino Classic
CMS-Law Now
Compare.bet
iGaming Business

Observatório do Jogo – Portugal

   

 

Categories
GAMBLING NEWS (PT)Observatório NewsPortugal Gambling News (PT)

RG MAGAZINE Gambling and Social Responsibility
No Comment

RELATED BY